Exercícios de Amostra

Como vimos no artigo – Audiodescrição na Sala de Aula – Atividade com Fotografia –  exercícios podem ser realizados mesmo que não haja instrutores ou alunos com deficiência visual na sala.

No entanto, incluímos sugestões de como os alunos com deficiência visual podem participar de cada atividade. Também defendemos que os instrutores ofereçam pelo menos uma breve definição de audiodescrição como um recurso de acesso. 

Isso pode ser enquadrado de uma forma que não represente as pessoas com deficiência visual como estranhas ou necessitadas. 

Exercícios de Amostra

A audiodescrição pode ser apresentada como uma das muitas pequenas intervenções que podem tornar a sala de aula e a cultura mais inclusivas. 

Por último, é importante lembrar que as pessoas com deficiência visual vivem na mesma cultura visual que todas as outras pessoas. Não há necessidade de buscar um vocabulário especializado ou evitar referências a fenômenos puramente visuais, como cor, perspectiva, reflexão e assim por diante. 

Mas os alunos devem ser incentivados a usar uma linguagem que evoque a interdependência dos sentidos visuais e não visuais, incluindo o tátil e o olfativo.  Por exemplo, eles podem observar que algo parece liso, áspero, aveludado, etc.

Uma pesquisa mostrou que, porque nossos sentidos são significativamente interdependentes, as pessoas videntes recorrem de forma consistente . Portanto, não devemos considerar as descrições não visuais como meras substituições do sentido visual. Eles são essenciais para experimentar e apreciar o visual.

 

Fonte:

Georgina Kleege | Departamento de Inglês da Universidade da Califórnia, Berkeley

Scott Wallin | Departamento de Teatro, Dança e Estudos da Performance, University of California, Berkeley

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *